sustentabilidade
Natural Capital

A EDP Brasil compromete-se, por meio da Política Integrada de Meio Ambiente e Saúde e Segurança, à melhoria contínua da gestão ambiental.

O Sistema de Gestão Ambiental da EDP Brasil, baseado na Norma ISO 14.001, orienta as operações de todas as empresas do Grupo. Seus processos e procedimentos são executados por equipes locais de Meio Ambiente em cada unidade de Geração e Distribuição, apoiadas pela área de Sustentabilidade e Meio Ambiente Corporativo, responsável pelas políticas e pela consolidação de práticas e informações.

Nas fases de operação, são realizados procedimentos de verificação de impactos e de aspectos ambientais no âmbito do Sistema de Gestão Ambiental. Durante o período de implantação dos projetos, realiza-se estudos de impacto ambiental e executa-se programas de compensação e mitigação de impactos, conforme determinado pelos órgãos licenciadores responsáveis.

Todas as operações da EDP possuem planos de ação para garantir que os programas de mitigação e compensação sejam desenvolvidos e que as exigências dos órgãos envolvidos no processo de licenciamento ambiental sejam cumpridas.

Água

A água é recurso essencial para as operações da EDP, sendo mais relevante nas unidades de geração, uma vez que é matéria-prima da produção de energia nas centrais hidrelétricas e insumo dos circuitos de refrigeração da unidade termelétrica. Nessa usina, a água é utilizada no processo produtivo, posteriormente tratada e devolvida para o meio ambiente seguindo os padrões estabelecidos pelos órgãos reguladores.

As unidades de Geração contam com programas direcionados aos recursos hídricos, como o monitoramento da qualidade da água e dos sedimentos.

Manter a gestão do uso e consumo da água é, portanto, central para nosso Sistema de Gestão Ambiental Corporativo e para o relacionamento com nossos stakeholders.

Para acompanhar o consumo trimestral de água da EDP Brasil, acesse http://enbr.infoinvest.com.br/ptb/releases-de-resultados 

Energia

A matriz energética da EDP Brasil é 75% composta por hidrelétricas, fonte renovável de geração de energia. Os outros 15% de capacidade instalada da Companhia correspondem à unidade termelétrica de Pecém, que gera energia a partir do carvão.

A aquisição do recurso natural é determinada segundo dinâmica do mercado (avaliação de preços), cumprindo especificações ambientais adequadas. A fim de reduzir o impacto ambiental da queima do carvão, a EDP Brasil busca otimizar o consumo do combustível fóssil, desenvolvendo processos de melhoria da queima, conduzindo manutenções preventivas e pesquisas de novas tecnologias para melhorar a eficiência da combustão.

Ainda quanto à mitigação dos impactos ambientais na cadeia de energia, no segmento da Distribuição a EDP investe no combate às perdas, tanto as de origem técnica quanto as decorrentes de fraude. As perdas geram ineficiência energética que, além de representar perda de receita, geram emissões. Além disso, a Companhia investe na eficiência energética de seus edifícios administrativos, construindo infraestruturas que privilegiam a incidência de luz natural e equipando-os com aparelhos de baixo consumo energético.

A EDP Brasil também se compromete a reduzir o consumo de energia em seus clientes, fornecendo serviços de troca de equipamentos ineficientes e desenvolvendo projetos de cogeração de energia a partir de biomassa por meio da EDP Soluções em Energia.

Biodiversidade

Por meio de sua Política de Inovação e Sustentabilidade, a EDP assume o compromisso de divulgar regularmente seu desempenho em relação à biodiversidade. A Companhia orienta todas as unidades de negócio a integrar o tema em suas avaliações de risco, a desenvolver práticas para mitigação de impactos, a fomentar o conhecimento científico sobre os diferentes aspectos da biodiversidade e a promover consultas regulares às partes interessadas.

Na Geração, os maiores impactos ambientais ocorrem durante o período de construção das usinas, e são acompanhados por programas de prevenção, mitigação e compensação. Cada usina em operação realiza programas de redução de impactos segundo as particularidades de seus riscos e fatores de maior impacto. O monitoramento das unidades geradoras é realizado por equipes especializadas da EDP, por empresas especializadas e universidades contratadas, além de haver fiscalização de órgãos ambientais.

Nas operações de Distribuição, o impacto ambiental é devido à coexistência das redes elétricas com espécies arbóreas. As unidades distribuidoras desenvolvem diferentes programas de gestão de riscos e minimização de impactos de acordo com as especificidades da região.

Impactos Ambientais da EDP e Ações de Mitigação

Geração

Distribuição

Biodiversidade

Por meio de sua Política de Inovação e Sustentabilidade, a EDP assume o compromisso de divulgar regularmente seu desempenho em relação à biodiversidade. A Companhia orienta todas as unidades de negócio a integrar o tema em suas avaliações de risco, a desenvolver práticas para mitigação de impactos, a fomentar o conhecimento científico sobre os diferentes aspectos da biodiversidade e a promover consultas regulares às partes interessadas.

Na Geração, os maiores impactos ambientais ocorrem durante o período de construção das usinas, e são acompanhados por programas de prevenção, mitigação e compensação. Cada usina em operação realiza programas de redução de impactos segundo as particularidades de seus riscos e fatores de maior impacto. O monitoramento das unidades geradoras é realizado por equipes especializadas da EDP, por empresas especializadas e universidades contratadas, além de haver fiscalização de órgãos ambientais.

Nas operações de Distribuição, o impacto ambiental é devido à coexistência das redes elétricas com espécies arbóreas. As unidades distribuidoras desenvolvem diferentes programas de gestão de riscos e minimização de impactos de acordo com as especificidades da região.

As alterações do clima também impactam o setor elétrico. Nesse sentido, a EDP assume compromissos para corroborar com a transição à economia de baixo carbono, mitigando o impacto de suas emissões.

As mudanças climáticas impactam todos os segmentos do setor elétrico. Na Geração, seus efeitos são sentidos por meio do impacto das variáveis do clima sobre a disponibilidade hídrica. Assim, em períodos secos com baixa disponibilidade de água - como verificado nos últimos anos -, o desempenho das hidrelétricas, que compõem 61% da capacidade instalada da matriz energética brasileira (segundo dados da ANEEL) e 75% do portfólio da EDP Brasil, é severamente afetado. Diante desse quadro, é necessário ativar a geração térmica, o que implica em aumento das tarifas dos consumidores. As alterações climáticas também afetam a Distribuição devido ao aumento de ocorrências de eventos climáticos extremos, como tempestades e ventanias, que ocasionam queda de árvores a aumentam a incidência de raios sobre a rede elétrica.

Além de serem afetadas pelas alterações do clima, as operações da EDP também geram potenciais impactos na dinâmica climática. Por isso a Companhia integra o tema em suas diretrizes e políticas. A gestão de Mudanças Climáticas na EDP Brasil envolve um conjunto de iniciativas voltadas para a adaptação e mitigação de impactos, realização de inventário de emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE) e orientação e monitoramento de todas as unidades de negócios da Companhia referente a aspectos de emissões.

Os riscos e oportunidades das alterações climáticas são avaliados e integrados à estratégia de negócio, refletindo-se em planos de ação que envolvem a mensuração dos impactos e diversificação das operações por meio de investimentos voltados à eficiência energética e à geração solar fotovoltaica.